Alfredo Sosabravo. El Perro Morao.
Alfredo Sosabravo. El Perro Morao.

Por que Moro não sai

Como Bolsonaro abandonou de vez a retórica contra a corrupção e é conivente com crimes no afã de proteger a família, é de se perguntar o que ainda faz Moro no ministério.

Aceitar ser ministro da Justiça de Jair Bolsonaro foi o maior erro de Sérgio Moro.

Em uma só passada, submeteu a Lava Jato ao governo de plantão e levantou uma poeira de suspeitas sobre a sua desejada imparcialidade como juiz da mais audaciosa operação de combate à corrupção. Se antes havia controvérsias sobre o estilo de investigação e julgamento dos acusados, com a ida ao ministério Moro fez um pacto com o diabo. Subordinou-se a um presidente pouco respeitoso, desinteressado de cumprir liturgias e exigências constitucionais, um governante verdadeiramente desenfreado.

Moro calculou mal, ao achar que teria ampliado seu raio de ação como herói anticorrupção e veria facilitadas suas pretensões de dar início a uma carreira política que poderia levá-lo à Presidência ou ao STF. Trocou uma trajetória segura, ou tendencialmente segura, pelo risco e a incerteza.

Os fatos contam. Oito meses depois de assumir o cargo, Moro só colheu derrotas e humilhações. Tornou-se uma espécie de pau-mandado de Bolsonaro, sem qualquer poder de influência e de reação às investidas agressivas do presidente. Nem sequer tem conseguido nomear auxiliares ou assegurar o controle regimental sobre os órgãos vinculados à sua pasta, como a Polícia Federal. Também não se mostra com força e interesse em se contrapor aos desatinos autoprotecionistas do clã Bolsonaro.

Moro foi desidratando, tornou-se figura opaca em um ministério de segunda linha. Justo ele, que foi atraído ao governo com a promessa de que seria a joia da Coroa.

Não há como dizer que Moro reconhecerá o fracasso, assumirá o erro e tomará alguma decisão que faça jus à fama anterior. Poderá resistir até a última gota de sangue e suor, terminando por aceitar passivamente sua destruição pública, o desgaste de sua imagem e a corrosão de sua popularidade.

Como Bolsonaro abandonou de vez a retórica contra a corrupção e é conivente com crimes no afã de proteger a família, é de se perguntar o que ainda faz Moro no ministério.

Pode ser o gosto pelo poder, com suas regalias e sua mise-en-scène. Pode ser um novo cálculo estratégico, sustentado pelo suposto de que no Planalto sobrará somente ele no front do combate à corrupção e à criminalidade, com o que poderia recuperar sua imagem junto à opinião pública e se jogar por inteiro na política. Pode ser, enfim, que ele tenha se convencido da força regeneradora do bolsonarismo.

Mas, e se Moro decidir sair, cansado das derrotas sucessivas, dia após dia? E se for demitido? Ele começou a disparar contra o governo, sobretudo diante dos cortes orçamentários que atingem seu ministério. No último dia 26 de agosto, ele escreveu ao ministro da Fazenda, Paulo Guedes, para adverti-lo de que a redução provocará “alarmante cenário de inviabilização de políticas públicas de segurança” e afetará operações da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal, da Força Nacional de Segurança Pública, além de prejudicar a emissão de passaportes, o combate ao tráfico de drogas, ao crime organizado, à corrupção e à lavagem de dinheiro.

A saída de Moro causará algum abalo no governo, tirando-lhe das mãos a bandeira da moralidade. O ex-juiz poderá refazer parte de um caminho do qual jamais deveria ter-se afastado. Ficará livre para executar uma eventual estratégia de inserção na política representativa.

O governo, porém, depois de alguns dias de mal-estar e desgaste, seguirá em frente. Terá de se haver com o espectro de Moro, que permanecerá a circular em Brasília. Não alterará rota nem perfil. O governo Bolsonaro, afinal, ainda tem bons apoiadores e continua alto o custo do combate a ele, nas arenas políticas institucionalizadas e mesmo na sociedade civil. Preservará seu autismo explícito, que o faz seguir tão-somente as vozes diabólicas que povoam a cabeça do presidente e de seus filhos. Ficará na senda alucinada por onde enveredou. Até quando, ninguém sabe.

Amizade por conveniência

Acontece que, em política, assim como na vida, sempre há um dia após o outro. Movimentos de recomposição, avaliação de interesses recíprocos e cálculos custo-benefício são indispensáveis.

Foi o que ensaiaram fazer Bolsonaro e Moro no final do mês de agosto, precisamente no momento em que era mais forte o cerco à Operação Lava Jato, com ações cruzadas provenientes do Congresso, do STF e do próprio presidente da República.

O objetivo foi fazer a temperatura baixar nas relações entre o presidente e seu ministro. Bolsonaro necessitado do prestígio e da popularidade de Moro para tentar reduzir o efeito das pesquisas que mostram uma piora na avaliação do governo, e Moro convencido de que não terá como respirar sem o apoio presidencial, especialmente importante para reduzir o impacto das decisões do STF sobre a Lava Jato e do Congresso sobre o pacote anticrime ou a Lei de Abuso da Autoridade.

O abraço entre eles, porém, está sustentado por conveniências. Nada garante que o fogo não voltará a arder mais à frente. Bolsonaro já demonstrou que fará tudo para proteger os filhos e seus negócios. Sua postura de combate à corrupção virou mera promessa de campanha, sem qualquer tradução política prática. Não há indícios de que seu governo dará atenção dedicada ao problema da criminalidade e da corrupção.

Moro precisa do presidente para mostrar que ainda tem força no governo, no qual se tornou figura apagada. Não poderá largar pelo caminho a bagagem acumulada durante seus anos de juiz. Ele somente se tornou campeão de popularidade por causa da Lava Jato, modelou-a pedaço a pedaço, converteu-a em força política. Acumulou inimigos com isso. Associou-se tanto à operação que sem ela ficará sem rumo.

Se o bolsonarismo enquadrar o governo de cima a baixo, arquivando a agenda anticorrupção, Moro será um peão a ser sacrificado.

Amizades por conveniência são usuais em política. Bolsonaro pode já ter sugado todo o sangue de Moro. Um ministro da Justiça exangue e extenuado talvez agrade aos projetos políticos do presidente, mas com certeza não trará qualquer benefício a seu governo, nem muito menos à vigência de uma Justiça que se faça digna do nome.

compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

continue lendo...

Deixe um comentário