Falando a sério sobre Alckmin

O presidenciável tucano permanece estacionado nas pesquisas. Ainda não entusiasmou os eleitores e não se reveste de uma fantasia cívica e democrática que empolgue. A adesão do “centrão” à sua candidatura irá ajudá-lo. Mas o estrago na parte substantiva terá de ser calculado.

Vinte anos e um futuro a construir

O Brasil entrou no século XXI convencido de que o pior havia ficado para trás. Aos poucos foi ficando claro que as coisas não eram tão simples. Um caminho socialdemocrático poderia ter sido adotado. De uma eleição a outra, porém, tucanos e petistas se dedicaram a uma obra de destruição recíproca.

Turbulências tucanas

Dória não é o “culpado” por ter feito as coisas chegarem a esse ponto. Ele simplesmente se aproveitou das fendas que passaram a ser exibidas pelas fortalezas partidárias. Entrou com tudo no PSDB, expondo a fragilidade de sua estrutura e a baixa convicção programática da militância.

Polarizações destrutivas

Com mais polarizações, aumenta a tentação de enquadrar tudo em esquemas binários. A luta ideológica radicalizada deixa de lado o diagnóstico em benefício da agressividade verbal, do ardor retórico, do exagero performático. Para que tenha efeito, tudo é simplificado ao extremo, vira coisa plana, rasteira.