Modos de derrotar o extremismo

Os democratas chegaram ao segundo turno desnorteados, cansados de guerra, tendo de se satisfazer com manifestos e declarações de “votos úteis antifascistas”. Não souberam se comunicar, não dialogaram nem ouviram a população. Flutuam no palco como seres sem alma, sem cabeça, agarrados a pedaços do que no passado era chamado de “grande política” mas que, hoje, funcionam no máximo como estratégia de sobrevivência.

Incompetência geral

O modo como avançou a disputa indica que o próximo ciclo não será produtivo. As campanhas deseducam a população, fazendo com que os eleitores sejam induzidos a acreditar que do céu cairá uma chuva de fartura ou o fim da bandidagem e da corrupção.

Mangabeira, os emergentes e o DEM

Professor de Harvard acha que partidos de esquerda devem se juntar a Ciro para promover uma “obra de transformação institucional no País”. Seu principal interesse é justificar a aproximação entre Ciro e os Democratas. Para tanto, nada melhor do que apresentar o DEM como progressista.